sábado, 19 de julho de 2014

FRIO INTENSO NA PRÓXIMA SEMANA


Luiz Fernando Nachtigall, meteorologista da empresa gaúcha METSUL, postou, neste sábado, no seu blog esta informação: "Atenção ! Esfria demais na quinta-feira com a chegada de uma intensa massa de ar polar. Dados chegam a sugerir neve no final da quinta e no começo da sexta nas partes mais altas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, mas ainda é cedo para qualquer análise nesse sentido". Vem mais frio, afinal estamos no começo do Inverno.

Veja as temperaturas mínimas de hoje, segundo o INMET:

Brasil Data: 19/07/2014 - 12 UTC
ESTAÇÃO 
- SÃO JOAQUIM - SC 0,2°C
- LAGOA VERMELHA - RS 0,5°C
- BOM JESUS - RS 0,8°C
- CASTRO - PR 1,1°C
- IRATI - PR 1,6°C
- LAGES - SC 1,7°C
- PASSO FUNDO - RS 2,7°C
- IVAÍ - PR 3,4°C
- CAMPOS NOVOS - SC 3,7°C
- CAMPO MOURÃO - PR 3,8°C

terça-feira, 15 de julho de 2014

VOTO EM TRÂNSITO PARA PRESIDENTE


O eleitor que estiver fora do seu domicílio eleitoral no primeiro ou no segundo turno das Eleições 2014 poderá exercer o direito de voto para presidente e vice-presidente da República em seções instaladas para este fim. O interessado deverá habilitar-se perante a Justiça Eleitoral no período de 15 de julho a 21 de agosto, informando o local em que pretende votar.

A habilitação para o voto em trânsito é realizada mediante a apresentação de documento oficial com foto e será admitida apenas para os eleitores que estiverem com situação regular no cadastro eleitoral. Uma vez cadastrado nessa modalidade, o eleitor ficará automaticamente apto a votar no local onde informou que estará no dia do pleito, mas será desabilitado para votar na sua seção de origem. A alteração ou o cancelamento da habilitação poderão ser requeridos até o término do prazo para o pedido.

Novidade

Nestas eleições gerais não só as capitais estarão aptas a oferecer a modalidade de voto em trânsito, mas também os municípios com mais de 200 mil eleitores, totalizando 92 cidades brasileiras. A novidade foi implantada pela Resolução TSE nº 23.399/2013, que dispõe sobre os atos preparatórios para as eleições.

Nas eleições gerais de 2010, essa possibilidade ficou restrita às capitais. Naquele ano, 80.419 eleitores registraram o pedido para votar em trânsito no primeiro turno e 76.458 no segundo turno.

Localidades

Ficará a cargo dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) registrarem as seções especiais e os locais onde serão instaladas as urnas para o voto em trânsito, nas respectivas capitais dos estados e nos municípios com mais de 200 mil eleitores. A seção destinada à recepção do voto deverá conter no mínimo 50 e no máximo 600 eleitores.

Quando o número mínimo não for atingido, os eleitores habilitados deverão ser informados da impossibilidade de votar por meio dessa modalidade no município por eles indicado. Nesse caso, ficará cancelada a habilitação dos eleitores para votar em trânsito e eles deverão justificar a ausência ou votar na seção de origem. Fonte: TSE.

CIDADES DO VOTO EM TRÂNSITO

Confira abaixo a relação dos 92 municípios que deverão dispor das urnas especiais para o voto em trânsito, a depender da quantidade de cadastramento em cada local.

AC  RIO BRANCO
AL  MACEIÓ
AM  MANAUS
AP  MACAPÁ
BA  FEIRA DE SANTANA
BA  SALVADOR
BA  VITÓRIA DA CONQUISTA
CE  CAUCAIA
CE  FORTALEZA
DF  BRASÍLIA
ES  CARIACICA
ES  SERRA
ES  VILA VELHA
ES  VITÓRIA
GO  ANÁPOLIS
GO  APARECIDA DE GOIÂNIA
GO  GOIÂNIA
MA  SÃO LUÍS
MG  BELO HORIZONTE
MG  BETIM
MG  CONTAGEM
MG  GOVERNADOR VALADARES
MG  JUIZ DE FORA
MG  MONTES CLAROS
MG  UBERABA
MG  UBERLÂNDIA
MS  CAMPO GRANDE
MT  CUIABÁ
PA  ANANINDEUA
PA  BELÉM
PA  SANTARÉM
PB  CAMPINA GRANDE
PB  JOÃO PESSOA
PE  JABOATAO DOS GUARARAPES
PE  OLINDA
PE  PAULISTA
PE  RECIFE
PI  TERESINA
PR  CASCAVEL
PR  CURITIBA
PR  LONDRINA
PR  MARINGÁ
PR  PONTA GROSSA
RJ  BELFORD ROXO
RJ  CAMPOS DOS GOYTACAZES
RJ  DUQUE DE CAXIAS
RJ  NITERÓI
RJ  NOVA IGUAÇU
RJ  PETRÓPOLIS
RJ  RIO DE JANEIRO
RJ  SÃO GONÇALO
RJ  SÃO JOÃO DE MERITI
RJ  VOLTA REDONDA
RN  NATAL
RO  PORTO VELHO
RR  BOA VISTA
RS  CANOAS
RS  CAXIAS DO SUL
RS  PELOTAS
RS  PORTO ALEGRE
RS  SANTA MARIA
SC  BLUMENAU
SC  FLORIANÓPOLIS
SC  JOINVILLE
SE  ARACAJU
SP  BARUERI
SP  BAURU
SP  CAMPINAS
SP  CARAPICUÍBA
SP  DIADEMA
SP  FRANCA
SP  GUARUJÁ
SP  GUARULHOS
SP  ITAQUAQUECETUBA
SP  JUNDIAÍ
SP  LIMEIRA
SP  MAUÁ
SP  MOGI DAS CRUZES
SP  OSASCO
SP  PIRACICABA
SP  RIBEIRÃO PRETO
SP  SANTO ANDRÉ
SP  SANTOS
SP  SÃO BERNARDO DO CAMPO
SP  SÃO JOSÉ DO RIO PRETO
SP  SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
SP  SÃO PAULO
SP  SÃO VICENTE
SP  SOROCABA
SP  SUZANO
SP  TAUBATE
TO  PALMAS

terça-feira, 1 de julho de 2014

FRIO ATINGE O PARANÁ NO 1º DE JULHO

As temperaturas baixas atingiram todo o Paraná, nesta terça-feira. Segundo os dados do SIMEPAR a onda de frio entrou pelo Oeste catarinense e subiu até a fronteira paulista. Veja o gráfico, onde as áreas mais atingidas estão em azul.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

ESPANHA LEVA SURRA DA HOLANDA

A Espanha perdeu para Holanda por 5 a 1, nesta sexta-feira, na Arena Salvador, em jogo pela Copa do Mundo 2014. Foi a maior surpresa, até agora, pois a Espanha era a grande favorita. Imagem FIFA.

domingo, 8 de junho de 2014

A CHUVA NO PARANÁ, SEGUNDO O SIMEPAR

O SIMEPAR divulgou, na tarde deste domingo, os índices de chuva acumulados do dia 1º a 8 de junho deste ano. Para comparar, o instituto colocou na tabela informações da média histórica do mês de junho. Confira os índices.

sábado, 7 de junho de 2014

ESCOLHA DE CANDIDATOS COMEÇA TERÇA-FEIRA


A partir da próxima terça-feira (10) até o dia 30 de junho, os partidos políticos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) poderão realizar convenções destinadas à deliberação sobre coligações e à escolha de candidatos para as Eleições Gerais de 2014. As regras estão previstas na Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997).


As convenções partidárias são reuniões dos filiados a uma legenda para a deliberação de assuntos de seu interesse. Elas devem ser realizadas em conformidade com as normas estatutárias da agremiação, uma vez que a Constituição Federal e a Lei dos Partidos Políticos (Lei nº 9.096/1995) asseguram às legendas autonomia para definir sua estrutura interna, sua organização e seu funcionamento.

As convenções partidárias de caráter não eleitoral ocorrem a qualquer tempo. Já as convenções para a escolha de candidatos e a formação de coligações devem ser realizadas de 10 a 30 de junho do ano da eleição, de acordo com o art. 8º da Lei 9.504. Para as eleições deste ano, serão escolhidos durante as convenções os candidatos aos cargos de presidente e vice-presidente da República, governador e vice-governador, senador e respectivos suplentes, deputado federal e deputado estadual/distrital.

Para a realização das convenções de caráter eleitoral, os partidos poderão usar gratuitamente prédios públicos, responsabilizando-se por danos causados com a realização do evento, devendo comunicar por escrito ao responsável pelo local, com antecedência mínima de 72 horas, a intenção de ali realizar a convenção.

A partir do dia 1º de julho, será suspensa a veiculação da propaganda partidária gratuita prevista na Lei 9.096 e não será permitido nenhum tipo de propaganda política paga no rádio e na televisão. Também será vedado às emissoras de rádio e TV, entre outros: transmitir imagens de realização de pesquisa ou consulta popular de natureza eleitoral em que seja possível identificar o entrevistado ou em que haja manipulação de dados; veicular propaganda política, dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação; veicular qualquer programa com alusão ou crítica a candidato ou partido, exceto programas jornalísticos ou debates; e divulgar nome de programa que se refira a candidato escolhido em convenção.

Registro de candidatura


Cinco de julho é o último dia para os partidos políticos e coligações apresentarem no Tribunal Superior Eleitoral, até as 19h, o requerimento de registro de candidatos a presidente e vice-presidente da República. O prazo também vale para a apresentação, aos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), dos requerimentos de registros de candidatos a governador e vice-governador, senador e respectivos suplentes, deputado federal e deputado estadual ou distrital.


O pedido de registro de candidatura deverá ser apresentado obrigatoriamente em meio magnético gerado pelo Sistema de Candidaturas (CANDex), desenvolvido pelo TSE, acompanhado das vias impressas dos formulários Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (Drap) e Requerimento de Registro de Candidatura (RRC), emitidos pelo sistema e assinados pelos requerentes.


O RRC conterá as seguintes informações: autorização do candidato; número de fac-símile no qual o candidato receberá intimações, notificações e comunicados da Justiça Eleitoral; endereço no qual o candidato poderá eventualmente receber intimações, notificações e comunicados da Justiça Eleitoral; dados pessoais (título de eleitor, nome completo, data de nascimento, unidade da Federação e município de nascimento, nacionalidade, sexo, cor ou raça, estado civil, ocupação, número da carteira de identidade com o órgão expedidor e a unidade da Federação, número de registro no CPF, endereço completo e números de telefone); e dados do candidato (partido, cargo pleiteado, número do candidato, nome para a urna eletrônica, se é candidato à reeleição, qual cargo eletivo ocupa e a quais eleições já concorreu).

O formulário RRC deverá ser apresentado com os seguintes documentos: declaração atual de bens, preenchida no Sistema CANDex e assinada pelo candidato; certidões criminais fornecidas pela Justiça Federal e pela Justiça Estadual ou do DF ou pelos tribunais competentes, quando os candidatos gozarem de foro especial; fotografia recente do candidato, obrigatoriamente em formato digital e anexada ao CANDex; comprovante de escolaridade; prova de desincompatibilização, quando for o caso; propostas defendidas pelos candidatos a presidente da República e a governador; e cópia de documento oficial de identificação.

De acordo com o Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965) e a Lei de Inelegibilidades (Lei Complementar n° 64/1990), “qualquer cidadão pode pretender investidura em cargo eletivo, respeitadas as condições constitucionais e legais de elegibilidade e incompatibilidade, desde que não incida em quaisquer das causas de inelegibilidade”.

Conforme a Constituição Federal de 1988, são condições de elegibilidade a nacionalidade brasileira, o pleno exercício dos direitos políticos, o alistamento eleitoral, o domicílio eleitoral na circunscrição, a filiação partidária e a idade mínima para cada cargo, verificada na data da posse (35 anos para presidente, vice-presidente e senador; 30 anos para governador e vice; e 21 anos para deputado federal, estadual ou distrital). (TSE)